terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Sobre um encontro

Um dia a chamei Estrela do Oriente, mas hoje chamar-lhe-ia Raio flamejante, pois que não me apresentou um Jesus Menino, e sim um Jesus Ressuscitado a quem apresentava com sua dança transformadora.

Desde então, nunca mais fui a mesma: um Jesus me seduziu. Um Jesus que não estava representado naquela cruz brilhante que dançava no corpo dela, mas que eu podia ouvir me dizendo: “Vem, segue-me.”.

Apaixonei-me por um Jesus artista que tocou minha sensibilidade com a mistura de sons e arpejos de um corpo consagrado ao divino. Enamorei-me de um Jesus que não me condenou por minha grande lista de pecados, mas me acolheu em seus braços de amigo.

Desde aquele domingo, caminho em busca de um céu que é certeza, de uma doação que é lucro, de um sacrifício que é regozijo, de uma santidade que é impulsão.

Desde aquele encontro, caminho em busca de uma consagração: minha metade que me fará todo.

4 comentários:

Cacau disse...

Lindo!A sensibilidade que lhe da esse olhar tão único, traduzido nas suas palavras, me faz acreditar ainda mais no sobrenatural em mim!Deus te abençoe muiiiiiiiiiito!Bjs

Carlos César disse...

Perfeito... Admiro os teus olhos e o teu chamado. Ao ler esse texto pude imaginar toda a cena que lhe seduziu. Quando você relata a cruz que dançava junto com o corpo dela, isso me encanta de uma forma avassaladora. Está chegando o momento que te verei dançar de cordão preto, sendo inteiramente Dele. Um sorriso novo em teus labios, uma vida nova em tuas veias. Deus lhe abencoe sempre e te faça sempre assim. E que venha o Novo de Deus!

Carolina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carolina disse...

É fantástico perceber a Arte dos meus irmãos...
Enquanto uns interpretam, outros cantam, e ainda outros fazem palhaçada...
Tem aqueles que tocam nossa sensibilidade lapidando as palavras cotidianas e as transformando em verdadeiros diamantes!!!
Parabéns minha linda paiaça!!!